Telerradiologia, star, ressonância, tomografia

Se você está lendo este artigo é provável que já tenha pensado sobre isso.

O fato é que durante muito tempo grande parte dos serviços de radiologia (e das instituições de saúde em geral) não tiveram muito que se preocupar com a concorrência. No entanto, com o amadurecimento do mercado e a expansão de diversos grandes grupos para o interior do país, além da crise econômica, atualmente existe muito mais pressão competitiva do que existia há alguns anos. Se antes bastava abrir um serviço com tomografia e ressonância que os pacientes faziam fila em sua porta, hoje os desafios são um pouco diferentes.

Pensando nisso, nossos especialistas elaboraram este artigo com algumas das melhores práticas adotadas por serviços de radiologia sobre o que deve ser evitado. Confira:

 1. Não adotar um prazo competitivo de entrega dos laudos

Pode parecer óbvio, mas não custa lembrar. Para os pacientes, quanto menor o prazo para entrega dos laudos, maior a impressão de qualidade e eficiência sobre o seu centro de diagnóstico. Mesmo quando o paciente não tem urgência para retornar ao médico solicitante, o prazo influi de forma bastante significativa em sua percepção e pode fazer a diferença na escolha do local do exame.

É por esse motivo que em cidades com mais de um centro de diagnóstico a concorrência tem levado a uma redução no prazo de entrega e busca por maior eficiência. Serviços que antes ofereciam um prazo mínimo de entrega de 5 dias, hoje já estão buscando algo em torno de 48 horas. Se a situação lhe parece familiar, imagino que ou você já reduziu seu prazo de entrega ou está pensando em fazer isso. Obviamente você não está sozinho.

 2. Não investir em laudos a distância

Não é mais novidade para ninguém. A telemedicina está revolucionando a forma de exercício da radiologia, possibilitando que equipes de profissionais especialistas estejam virtualmente presentes nas localidades mais remotas do país. Como resultado, os prazos de entrega de laudos tem diminuído, com uma qualidade relativamente constante.

Com o auxílio de radiologistas a distância, sua equipe local terá tempo para se dedicar à agenda de ultrassom ou mesmo liberar os exames de suas respectivas especialidades.

Assim todos saem ganhando: o paciente tem um laudo de melhor qualidade, o radiologista não fica sobrecarregado e consegue focar nos exames de sua especialidade, e o centro de diagnóstico por imagem acaba se consolidando como referência de qualidade na região.

 3. Não utilizar o Google AdWords como ferramenta de marketing

Já escrevemos sobre o assunto neste blog, mas o tema é tão importante que vale a pena relembrá-lo. O Google AdWords ajuda na publicidade da sua clínica de forma a oferecer os seus anúncios nas páginas de sites de busca. Você pode determinar o quanto está disposto a gastar, podendo pagar somente quando o usuário clica na propaganda (dinâmica pay per click).

Nossa dica: faça um planejamento e estude o seu mercado regional. É provável que você esteja desperdiçando um tremendo potencial ao não explorar essa forma de publicidade. O primeiro passo é ter um website bem feito, com diversas referências aos serviços oferecidos e à localização de seu centro de diagnóstico. Com o website, você já pode iniciar sua campanha no Google Adwords, publicando anúncios que não só atraiam como também transmitam confiança a seus pacientes.

 4. Não seguir as exigências legais de armazenamento de exames

Este ponto é fundamental e obrigatório. Nos termos da Resolução CFM nº 1.638/02, enquanto não forem retirados pelos pacientes, os exames (incluindo raio-x, ressonância magnética e tomografia computadorizada) devem ser armazenados pelo prazo mínimo de 20 anos se não estiverem arquivados eletronicamente.

Se os arquivos estiverem em formato digital, então o exame deve ficar arquivado de forma permanente. Essa obrigação existe mesmo que o paciente tenha sido avisado que existe um prazo máximo de retirada, por exemplo, de 30 dias.

Mas não se desespere. Depois que o paciente retirou os exames, o serviço de radiologia deixa de ter responsabilidade sobre a guarda do exame, devendo manter arquivada apenas uma via do laudo emitido.

Caso deseje se aprofundar no assunto, sugiro a leitura do nosso artigo “Por quanto tempo devo armazenar os exames”, com dicas preciosas que certamente irão lhe ajudar a reduzir os custos de armazenamento.

5. Negligenciar o serviço e o atendimento ao cliente

Hospitais, clínicas e quaisquer outros prestadores de serviços de saúde que tratem o paciente apenas como número não é bem avaliado e, com o aumento da concorrência, deixa de ser lembrado pelo paciente no momento da escolha do serviço.

Não se esqueça da importância de prestar um bom atendimento e fidelizar o cliente, já que eles podem servir de referência para recomendações. Nesse artigo trazemos algumas dicas interessantes que funcionam com muitos dos nossos clientes.

Se essas dicas foram importantes para você, assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidade na área de radiologia.