O ACR BI-RADS® é um método utilizado para padronizar a interpretação dos achados dos exames da mama, como a Mamografia e Ultrassonografia das Mamas.

Isto é, para o laudo dos exames de mama, o médico radiologista deve descrever alguns pontos, como o objetivo do exame, o padrão de composição da mama, os achados, a conclusão e a recomendação de acordo com os achados. A fim de padronizar essa comunicação, o sistema de classificação foi incorporado nos exames radiológicos da mama.

Classificação

BI-RADS é uma classificação que varia de 0 a 6, é baseada nos achados e em tudo o que foi descrito em um laudo de exame de mama (mamografia). A classificação conclui e determina qual o diagnóstico, apresentando uma sugestão de conduta de acordo com a categoria atribuída.

Veja abaixo o resumo da classificação:

BI-RADS 0 significa que a avaliação do exame está incompleta ou que os achados foram inconclusivos.

BI-RADS 1 significa achados negativos, ou seja, exame normal.

BI-RADS 2 significa achados benignos e que não geram preocupação do ponto de vista de risco para neoplasia.

BI-RADS 3 significa achados provavelmente benignos e necessitam de um acompanhamento.

BI-RADS 4 significa achados considerados suspeitos para câncer.

BI-RADS 5 significa achados altamente suspeitos para câncer.

BI-RADS 6 significa câncer comprovado.

 

Significado e conduta

classificacao bi-rads 0 bi-rads 1 bi-rads 2 3 4 5 6

Veja abaixo o que significa detalhamente cada categoria de classificação, assim, como quais procedimentos normalmente são tomados ou orientados pelo médico solicitante para cada caso.

 

BI-RADS 0

Bi-rads 0 significa que a avaliação do exame está incompleta ou que os achados foram inconclusivos, sendo necessária uma avaliação complementar que pode representar incidências de mamografia adicionais – como a compressão mamária localizada, ultrassonografia das mamas, ressonância magnética das mamas, ou até mesmo a comparação com exames anteriores que não se encontravam disponíveis no momento da interpretação.

 

BI-RADS 1

Bi-rads 1 significa achados negativos, ou seja, exame normal. Em termos técnicos, significa dizer que não foram identificados nódulos, calcificações de qualquer natureza, assimetrias e distorções do parênquima mamário. Portanto, a conduta é que a paciente continue realizando o rastreamento de rotina apropriado para a faixa etária e risco.

 

BI-RADS 2

Bi-rads 2 significa achados benignos. Isto é, foram identificadas uma ou mais alterações na(s) mama(s), tais quais cistos simples ou calcificações tipicamente benignas, que não geram preocupação do ponto de vista de risco para neoplasia. Portanto, a conduta é a mesma da categoria 1, manter rastreamento de rotina apropriado para a faixa etária e risco.

 

BI-RADS 3

Bi-rads 3 significa achados provavelmente benignos. Nesta categoria encontram-se alguns poucos e específicos achados que necessitam de um acompanhamento um pouco mais longo, o famoso follow-up, para que seja possível definir se o achado é benigno ou se será necessária uma biópsia para amostragem tecidual. Neste caso, a conduta é de que a paciente retorne inicialmente a cada seis meses para reavaliação dos achados.

 

BI-RADS 4

Bi-rads 4 significa achados considerados suspeitos. Trata-se de uma categoria bastante heterogênea, com probabilidade de malignidade variando de 3-95%. Nela entram alterações como calcificações, nódulos e assimetrias, incluindo aqueles casos previamente classificados na categoria 3 que evoluiram de forma suspeita durante o follow-up. Recomenda-se que a paciente realize uma biópsia da lesão suspeita – um procedimento que utiliza uma “agulha” utilizada para retirar diminutos fragmentos da lesão para que sejam enviados para análise anatomopatológica.

 

BI-RADS 5

Bi-rads 5 significa achado altamente suspeito. Alguns achados como um nódulo mamário espiculado, por exemplo, tem uma probabilidade superior a  95% de corresponder a neoplasia mamária. A conduta é realizar uma biópsia para investigar a possibilidade de câncer e prosseguir com o tratamento da paciente.

 

BI-RADS 6

Bi-rads 6 significa que a paciente já foi diagnosticada com câncer por uma biópsia e análise da amostra por um patologista. O exame é realizado com algumas finalidades, como para saber se a paciente está tendo resposta ao tratamento quimioterápico, por exemplo.

 

O que é

Breast Imaging Reporting Data System (BI-RADS), ou Sistema de Laudos e Dados para a Imagem da Mama, é um sistema de classificação para laudos de mamografias, tomossíntese, ressonâncias magnéticas e ultrassonografias das mamas.

Antes da criação desta classificação, cada exame de mamografia era laudado com base na experiência e estilos de descrição de cada médico radiologista que o assinava. Portanto, a ausência de padronização permitia que um mesmo achado de exame fosse descrito de maneiras muito diferentes, a depender de quem o interpretasse. Certamente, essas ocorrências eram causa de confusões entre os especialistas envolvidos.

Frente a necessidade de uniformização dos relatórios desse exame tão importante no rastreio, diagnóstico e conduta do Câncer de Mama surgiu essa classificação, fruto de inúmeros encontros e conferências mundiais, com base na medicina baseada em evidências. É importante ressaltar que, acompanhando novidades científicas no campo das neoplasias mamárias, a classificação é constantemente atualizado por um grupo de especialistas e atualmente encontra-se na sua 5ª edição, publicada em 2013.

 

Densidade mamária

bi-rads e desindade mamaria

Além de classificar e concluir o laudo do exame de mamografia, esse método também classifica a densidade mamária. Isto é, as mamas têm três tipos de tecido: o tecido glandular (lóbulos) corresponde à parte das mamas capaz de produzir o leite; o tecido fibroso corresponde ao tecido que sustenta mecanicamente as mamas; e o tecido adiposo, corresponde ao tecido gorduroso que preenche o espaço entre o tecido fibroso e os lóbulos. Estes três tecidos, em conjunto, dão às mamas tamanho e forma.

A densidade mamária reflete a quantidade de tecido fibroso e glandular das mamas em comparação com a quantidade de tecido adiposo. Isso ganha importância no fato de quanto menos tecido adiposo as mamas tiverem, maior pode ser a dificuldade técnica de discernir pequenos nódulos, assimetrias e distorções do parênquima mamário. Portanto, sua classificação pode auxiliar no diagnóstico e na conduta, sendo dividida em quatro categorias.

  1. Mamas com predomínio de tecido adiposo têm menos de 25% de tecido fibroso e glandular.
  2. Mamas com densidades fibroglandulares esparsas têm entre 25% e 50% de tecido fibroso e glandular.
  3. Mamas heterogeneamente densas têm entre 51% e 75% de tecido fibroso e glandular.
  4. Mamas densas têm mais de 75% de tecido fibroso e glandular.